Revista Junguiana 32/1

Revista Junguiana 32 – Arte e Psicologia




revista junguiana 32A Arte da Análise

Beatriz A. Nunes

Gustavo M. P. de Andrade

Juliana G. da Silva

Maurício Battikha

Patrice A.H. Gomes

Este artigo discorre sobre as variáveis que compõem a formação e o desenvolvimento profissional do analista, identificando os aspectos objetivos e subjetivos que podem ser considerados como ofício análogo àquele do artista. Ao buscar a compreensão por meio da poesia e da literatura, exploramos elementos inconscientes e nuances que aproximam o trabalho e a relação analítica com o empreendimento do artista que trabalha em sua obra de arte. Realizando estas analogias e identificando semelhanças, tornamos mais claras as diretrizes que, em nossa perspectiva, guiam a pratica de um bom analista.

 

Arteterapia Junguiana: Arte… O quê?

Santina Rodrigues Oliveira

A autora aborda os efeitos da arteterapia como práxia ainda em desenvolvimento, discriminando a experiência artística da terapêutica e questiona se o que o arteterapeuta propõe aos pacientes é “arte”, quando se trata de um conjunto de técnicas expressivas dedicadas a explorar o mundo anímico.

 

Possibilidades de Alteridade: O Livro Vermelho e Elementos da Arte Contemporânea

Laura Villares de Freitas

Maria Helena de O. Richards

Focalizando a atitude de abertura ao inconsciente demonstrada por Jung no Livro Vermelho, as autoras traçam paralelos entre três personagens: um fotógrafo da natureza, a fotógrafa Diane Arbus e o músico Itamar Assumpção.

 

Um Olhar da Psicologia Analítica Sobre a Arte Contemporânea

Liliana L. Wahba; Luísa R. Colonnese

As autoras destacam alguns aspectos da arte contemporânea e seus símbolos, tanto em termos de produção consciente como de emergência do inconsciente grupal. Destacam, principalmente, o aspecto dialético percebido em alguns autores e apontam para o padrão de alteridade.

 

A Arte de Sófocles e a Tragédia Ájax – A Antevisão da Alteridade

Maria Zelia de Alvarenga

A partir do mito de Ájax Telamônio, a autora apresenta o sofrimento e as reflexões do herói, após ter sido vencido na disputa pela sagacidade de Ulisses, como uma trama que retrata a antevisão da dinâmica de alteridade.

 

C. G. Jung, S. Freud e o Estranho E.T.A Hoffman

Marcia Moura Coelho

A autora destaca a importância do escritor E.T. A. Hoffman e de seu romance Os Elixires do Diabo na obra de Jung. Parte de cartas entre Freud e Jung e propõe a discussão iniciada por eles, na qual Freud rechaça a ideia de inconsciente coletivo.

 

Reflexões Sobre a Traição Amorosa na Psicologia e na Arte

Renata Ferraz Torres

A autora realiza amplificações simbólicas nas expressões artísticas que aludem ao tema da traição conjugal e busca um significado psicológico para o fenômeno, para concluir que a relação conjugal é uma vida de individuação cujo desafio é ser fiel ao outro e a si mesmo.

 

A Difícil Arte de Amar: A Limitação do Conhecimento Entre o Homem a Mulher – Uma Interpretação da Psicologia Simbólica Junguiana

Carlos Amadeu Botelho Byington

Para o autor, o conhecimento entre o homem e a mulher vem se desenvolvendo lentamente na história e sendo deformado por projeções defensivas mútuas. Ele afirma que, a elaboração de deformações milenares, que afastam e iludem, é necessária para que homem e mulher se conheçam e se amem.