Revista Junguiana 29/2

Revista Junguiana 29 – Morte




revista junguiana 29Imaginário, Mito e o Hades Tecnológico

Leonardo Breno Martins

O imaginário é uma das melhores vias para a compreensão da contemporaneidade. Visões de “alienígenas” e óvnis convidam o inconsciente à individuação no Hades tecnológico antevisto por Jung há mais de 50 anos.

 

O Parricídio Simbólico: A Ruptura Emocional Entre Freud e Jung e Seus Complexos de Édipo

Carlos Amadeu Botelho Byington

Para o autor, os complexos de Édipo de Freud e Jung, mal elaborados, foram responsáveis pela ruptura de sua relação. As problemáticas de Freud com a religiosidade e de Jung, com o cristianismo, são abordadas.

 

O Símbolo da Morte no Mito Cristão

Roberto Rosas Fernandes

O símbolo da morte é abordado pelas perspectivas simbólica e gnóstica. A morte pode ser entendida como alienação e fixação, mas também como uma etapa do processo de transformação e ampliação da consciência.

 

A Vida na Coniunctio Zeus-Hera; A Morte na Separatio Eco-narciso

Maria Zelia de Alvarenga

O encontro entre Zeus, Hera e Tirésias retrata a demanda do binômio Zeus-Hera, expressão do arquétipo do coniunctio, por encontrar seu caminho de humanização. Já o encontro entre Eco e Narciso redunda em separatio, e ambos são condenados à morte.

 

A Doença em Busca dos Deuses

Marfiza Ramalho Reis

O aparecimento de doenças e sintomas reflete potenciais e experiências mal elaborados. A autora considera que doença e morte podem ser instrumentos de cura ao reorientarem a pessoa em seu caminho de individuação.

 

Morte em Vida: Será o Esquecimento a Morte da Alma?

Aurea Afonso Caetano

O esquecimento é enfocado como a morte do eu, do aspecto que confere ao ser um lugar no mundo. Neste artigo, aborda-se a difícil sensação, vivida com pessoas que têm algum tipo de demência, de viver com um outro sem eu, morto em vida.

 

Fracasso e Morte no Processo Analítico

Por Santina Rodrigues de Oliveira

Discute o estatuto da díade fracasso-sucesso nas bases epistemológicas da psicologia, de modo que reveja os limites dados a tais categorias no campo da psicoterapia e amplie os sentidos possíveis das vivências de fracasso analítico.

 

Morte, um Estranho Paradoxo

Claudia Morelli Gadotti

Para discorrer sobre a relação íntima e inseparável entre a vida e a morte, a autora trabalha com três situações em que o morrer é experimentado como força de uma vivência narcísica e aborda o significado dessas mortes quando a vivência mítica e religiosa vem perdendo espaço.

 

O Duplo Aspecto da Morte

Camila Souza Novaes

A morte é concebida como intento meta para o desenvolvimento da personalidade. São discutidos dois aspectos do arquétipo da morte: o regressivo e o progressivo. A morte é compreendida em seu caráter psicoide e numinoso.

 

Arte e Cultura: O Fim da Civilização

Liliana Liviano Wahba




WhatsApp chat