Fantasia rasgada

Fantasia rasgada

fantasia-rasgada-1A FANTASIA RASGADA -VIVÊNCIA DE UM CAMPO INTERACIONAL CONSTELADO POR SÍMBOLOS EXPRESSIVOS DO ARQUÉTIPO DO MESTRE-APRENDIZ

Autor(a): FREITAS, Laura Villares de

1989 – São Paulo

Índice não há. Somente alguns indícios. Este trabalho foi fluindo de um jeito tal que acabou “fazendo” um único corpo. Cabeça e corpo, com a fala que permite articular tudo, nas pessoas, no palco e na platéia, como se verá. Eu ia e vinha, oscilando entre os papéis vividos de aluna e professora, de terapeuta e de cliente, um fertilizando o outro.
Se facilitar ao leitor, posso dividir o trabalho em duas partes. A primeira tem um tom mais confessional, de depoimento pessoal de minhas vivências nos quatro papéis, e vai até a pg. 20. A Segunda apresenta um trabalho com máscaras, tal como é formulado por sua autora, lá na França, tal como realizado lá na USP e tal como pode ser enriquecido em alguns aspectos por contribuições de Eric Neumann sobre a fase do self corporal e por contribuições de Juana Elbein dos Santos sobre o sistema Nagô. Esta Segunda parte começa na pg. 20 e vai até a 56.
Mas não é para ser levada muito a sério essa divisão em duas partes, uma mais confessional e a outra mais teórica. Há reflexões teóricas na primeira parte também, e depoimentos na Segunda. Não tem jeito: tudo tem que ser lido, se o desejo é entender e avaliar como é que eu concebo, a partir de minha experiência, o campo de interação constelado pelo arquétipo do mestre-aprendiz.

Eu vou formulando em palavras minhas vivências entre os quatro papéis. Acabo dando mais ênfase ao papel de professora, mas os outros três estão presentes o tempo todo, nas entrelinhas e no texto.

Publicada como artigo na Junguiana 8, sob o título “O Arquétipo do Mestre-Aprendiz – Considerações sobre a Vivência”.



WhatsApp chat