Morte – A tarefa de quem fica

morte-a-tarefa-de-quem-fica-1

Morte – A tarefa de quem fica

morte-a-tarefa-de-quem-fica-1A morte é um tema grande e fundamental para o entendimento do que é ser humano. Por saber que vamos morrer e que temos o risco de perder pessoas muito importantes, os sentimentos que surgem são perturbadores.

Perder uma pessoa amada por morte, inevitavelmente, provoca uma ferida na alma.

A presença de uma ausência provoca afetos anárquicos e desorganizadores. Encontrar um destino e significação para o amor sem objeto passa a ser tarefa do enlutado. Para tal muita dor e trabalho são necessários.

Crescer a partir da dor, integrar à identidade a condição de ferido e enfrentar heroicamente a necessidade de capitular, diante dos conteúdos que a morte nos apresenta, é a saída possível para quem procura uma vida com sentido e inteireza. Tanto Hillman como Jung falam que fugir da morte constitui uma perda para a vida. Penso que as pessoas atingidas pela morte de um ente muito amado correm a risco de perder-se na dor estéril mas, por outro lado, têm a chance de desenvolver dotações profundas de enfrentamento das mudanças inevitáveis do viver.



WhatsApp chat